}

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

[RESENHA] O Pequeno Príncipe - Antoine de Saint-Exupéry

Por Patricia Christmann



Bom dia amores!
Hoje a resenha é de um livro que é puro amor, e da forma mais pura realmente. Uma criança especial que vem para encantar o mundo.

Vem conhecer!


O Pequeno Príncipe



ISBN-13: 9788581303079
ISBN-10: 8581303072
Ano: 2015 / Páginas: 160
Idioma: português 
Editora: Geração Editorial


Sinopse: Um piloto cai com seu avião no deserto e ali encontra uma criança loura e frágil. Ela diz ter vindo de um pequeno planeta distante. E ali, na convivência com o piloto perdido, os dois repensam os seus valores e encontram o sentido da vida. 
Com essa história mágica, sensível, comovente, às vezes triste, e só aparentemente infantil, o escritor francês Antoine de Saint-Exupéry criou há 70 anos um dos maiores clássicos da literatura universal. Não há adulto que não se comova ao se lembrar de quando o leu quando criança. 
Trata-se da maior obra existencialista do século XX, segundo Martin Heidegger. Livro mais traduzido da história, depois do Alcorão e da Bíblia, ele agora chega ao Brasil em nova edição, completa, com a tradução de Frei Betto e enriquecida com um caderno ilustrado sobre a obra e a curta e trágica vida do autor.

Um livro que veio para encantar o mundo. Repleto de sentimentos e reflexões, O Pequeno Príncipe é indicado para todas as idades.
Exupéry nos conta uma de suas lindas aventuras, o encontro com um ser maravilhoso e puro.
Durante uma viagem por terras desertas do Saara, o monomotor que era pilotado por ele, apresentou uma pane, obrigando-o a realizar um pouso de emergência. Sozinho no deserto, adormecei deitado sobre a areia.
"Vocês podem imaginar minha surpresa quando, ao amanhecer, fui despertado por uma doce voz de criança, que disse:
- Por favor... desenhe um carneirinho para mim!"

A partir dai, Exupéry vai desvendando os segredos desse pequeno ser.
"Tenho sérios motivos para acreditar que o planeta do qual veio o pequeno príncipe é o Asteroide B612."
Uma criança tão inocente, mas que parece carregar o peso do mundo em seus pequenos ombrinhos. Suas perguntas nos levam a refletir o sentido da vida.
"-Não acredito no que você diz! As flores são frágeis. E ingenuas. Defendem-se como podem. Julgam-se poderosas com seus espinhos..."
E mais frágil e ingenuo era o Pequeno Príncipe, em busca de algo que julgava não encontrar em seu pequeno planeta composto por três vulcões e uma rosa muito vaidosa.
"Ah, sim, era muito vaidosa! Sua misteriosa maquiagem havia durado dias e dias. Eis que, certo dia, exatamente ao nascer do sol, ela se apresentou."
Esse orgulho foi o que forçou o pequenino a viajar para tão longe, mas seu coração ainda estava com a rosa.
"É preciso exigir de cada um o que cada um pode dar."
E realmente tendemos a ser como a rosa, exigindo cada vez mais dos outros ate sufoca-los. Até que eles sintam-se abandonados.
"-Há solidão também quando se está entre as pessoas."
Mas se olharmos com o coração poderemos sentir que cada pessoas possui em si um pequeno príncipe, muitas vezes sufocado por tudo o que nos obriga a ser adultos.
"Os olhos são cegos. É preciso ver com o coração." 
Afinal,
"O essencial é invisível aos olhos."
Então é preciso que cativemos uns aos outros assim como essa linda historia segue cativando a todos.
Esse livro me fez chorar e repensar muito valores. Tocou meu coração como a tempos nenhum livro fazia.
E as lindas ilustrações feitas pelo próprio autor, tornam tudo ainda mais belo e delicado.

Recomendo.